Bull Terrier Miniatura: como é conviver com ele?

Foto: Bibbo/ Nome do cão: Raisin Punch Terra Viva/ Proprietário: canil Energy Dogs – A marca registrada do Bull Terrier Miniatura é a cabeça em forma de ovo, selecionada nos idos de 1850, quando o tipo da raça foi padronizado

Pequeno e determinado, esse cão apaixonante  nasceu para viver em família, pelo temperamento equilibrado, amoroso e protetor

O Bull Terrier Miniatura surgiu na Inglaterra, quase que paralelamente ao Bull Terrier Standard, cujo padrão racial é o mesmo com exceção do limite de tamanho. “Enquanto este último já havia sido reportado desde o final do século XVIII, os primeiros Bull Terrier Miniaturas só se tornaram conhecidos no começo do século XIX, mas, muito leves e frágeis, quase foram extintos logo depois”, relata Leopoldino Abreu, do canil Energy Dogs, de Curitiba. Ele acrescenta: “Alguns entusiastas resolveram resgatá-los algumas décadas depois, partindo para um padrão mais robusto que estabelecia limites só para a altura e não mais para o peso”. Eles tiveram sucesso e, assim, o reconhecimento britânico como raça veio em 1938.

Apesar de antiga, em nosso país, a criação de Bull Terrier Miniatura somente ultrapassou a casa de 100 registros anuais concedidos pela Confederação Brasileira de Cinofilia a partir de 2016. Em 2019, foram 127.

{PAYWALL_INICIO}

A raça não deve exceder a altura de 35,5 cm: o exemplar da foto tem 29,5 cm – Foto: Bibbo/ Nome do cão: Raisin Punch Terra Viva/ Proprietário: canil Energy Dogs

Temperamento

Brincalhão, o Bull Terrier Miniatura é certeza de diversão. “Ele tem muitas manias e costumes engraçados: por exemplo, sobe no colo do dono em qualquer situação, como numa cadeira na mesa de refeições para imitar seus tutores ou quando vê seu dono no banheiro”, relata Tania Marins, do canil Marins World Class Mini Bulls. “Além disso, basta um lugarzinho disponível para dormir nas posições mais estranhas possíveis”, acrescenta ela. 

O Bull Terrier Miniatura topa qualquer tipo de brincadeira e atividade. “É um excelente companheiro tanto para um passeio rápido pela cidade como para uma aventura em trilhas passando por rios e obstáculos montanhosos”, conta Leopoldino.

Muito apegado à família, o Bull Terrier Miniatura se acostuma às atividades e rotinas desta, como ver TV, deitar no sofá, acompanhar refeições ao lado dos proprietários e viajar de carro. “Ele adora estar na companhia de seus tutores humanos, receber carinho e muito amor”, comenta Tania. Esses cães são também apaixonados pelo dono principal. “Quando podem, querem estar sempre junto dele, mas não são carentes – tanto que ficam bem em sua ausência: aí, ao encontrá-lo, demonstram muito afeto”, comenta Tania. Leopoldino afirma: “Eles gostam bastante de atenção e demonstram a imensa afetuosidade deles colando a nós assim que chegamos em casa”.

Criadora Tania Marins com ninhada da raça de criação dela – Foto: Arquivo do canil Marins World Class Mini Bulls
Dois Miniaturas adultos do plantel do canil Energy Dogs mostrando o tamanho da raça em relação ao homem – Foto: Bibbo/ Nomes dos cães: Raisin Punch Terra Viva e Cherry do Energy Dogs
A raça se afeiçoa naturalmente a crianças. Na foto, Sol e Antonio Mirisolla: com 9 anos, ele mesmo a adestrou e hoje Sol é a guardiã da família – Foto: Arquivo do canil Marins World Class Mini Bulls

O relacionamento entre o Bull Terrier Miniatura e crianças costuma ser ótimo. “Cria vínculos com elas desde poucos meses de vida”, afirma Tania. “Demonstra muito interesse por crianças: é comum se apegar mais a elas do que aos entes adultos da família”, reforça Leopoldino. “Como são truculentos e um pouco atrapalhados, suas brincadeiras são mais brutas e por isso é importante que seus donos imponham alguns limites e ensinem maneiras carinhosas para acompanhar as crianças desde cedo”, pondera Tania. “O filhote de Bull Terrier Miniatura, assim como o de outras raças, mostra afetividade brincando e mordendo, sendo que a primeira dentição deles é fina e machuca. Mas basta a pessoa ser firme, o que não é nada difícil com esse cão, que logo se fará respeitada”, ensina Leopoldino.

Já com outros cachorros, Tania alerta: “Os cães desta raça são ciumentos e exigem atenção única”. Ela, porém, menciona uma opção: a convivência, com monitoramento, entre um Bull Terrier Miniatura socializado desde cedo e um exemplar do sexo oposto. Leopoldino dá mais detalhes: “Machos com fêmeas tendem realmente a se dar bem e até fêmeas com fêmeas podem conviver juntas: quanto a machos com machos, eu até deixo alguns juntos enquanto estou em casa, mas, saindo, logo os separo, pois uma hora ou outra disputarão a hierarquia do local”.

Protetor

 O Bull Terrier Miniatura late ao perceber algo de estranho pela propriedade. “Esses cães são muito vivos e é bem difícil adentrar num quintal sem ser percebido por eles, seja à noite ou de dia”, conta Leopoldino. 

Campeão mundial Cambria’s Cisco Kidd, em exposição de 2018 do Kenel Clube São Paulo, onde foi o melhor veterano entre todas as raças – Foto: Edmilson Reis/Prop. do cão:canil Marins World Class Mini Bulls/Criadores: Deb and Alex Guerrero

“Alguns Bull Terriers Miniaturas podem inclusive fazer o papel de guardião propriamente dito, atacando estranhos que entram na propriedade sem estar junto de seus donos”, afirma Tania. Ela cita como exemplo uma fêmea de seu plantel, Catharina, que, mesmo não tendo sido adestrada para tal, desenvolveu essa aptidão. “Dorme o dia todo e fica superatenta à noite até o amanhecer, o que me faz dormir muito mais tranquila, pois moro em um bairro rural, afastado, onde houve uma época de assalto nas chácaras da região”, relata Tania, que acrescenta: “Certa vez, a pessoa que faz a manutenção da piscina tentou entrar de manhã bem cedo, no horário em que Catharina faz a guarda no posto dela, e ela ficou muito brava: não deixou que adentrasse no território”.

Ativo

 Tania relata que o Bull Terrier Miniatura ama bolas e brincadeiras de pega-pega.  “Em uma ninhada de exemplares da raça, sempre há os mais pacatos e os mais animadinhos: estes últimos serão como eternas crianças, superfelizes e, quando crescerem, acharão que é sempre hora de brincar. Isso, às vezes, exige imposição de limites para mostrar a hora de desacelerar ou de dormir”, diz ela. “Eles demonstram predileção por buscar bolinhas e ficar agarrados em pneus maciços de borracha”, comenta Leopoldino.

 Para quem tem casa espaçosa, brincadeiras no ambiente já bastam, pois a raça não necessita de exercício em demasia: ela tem muito energia, mas dependerá do dono estimular o condicionamento ao máximo ou deixá-la mais pacata. “Já para quem mora em apartamento, o ideal são ao menos duas caminhadas diárias”, diz Tania. O melhor é que esses e outros exercícios mais intensos sejam praticados em horários mais frescos do dia, no início da manhã ou mesmo à noite. “Eu gosto particularmente dos estímulos de curta duração, em que trabalho mais a força, propiciando maior desenvolvimento muscular”, afirma Leopoldino, que finaliza: “Esses cães nadam muito bem se ensinados e gostam bastante”.  

Dia a dia

Leopoldino afirma que, para obter o melhor desta raça, o proprietário deverá ser amável, mas persistente na educação. “O Bull Terrier Miniatura aprende vários comandos, mas como tem muita energia, dispersa a atenção facilmente”, comenta o criador. “Além disso, não se pode deixá-lo confuso ou com dúvida sobre o que é certo ou errado, ensinando algo e às vezes cedendo no que ele já aprendeu, como a não subir no sofá e às vezes deixar, não entrar em casa e, em outra situação, permitir”, conclui. Tania avisa: “Só deve ter um Bull Terrier Miniatura quem permite que ele participe de sua rotina, o que inclui os finais de semana e o retorno depois de um dia de trabalho. Esses cães precisam da proximidade de seus donos, de se sentirem amados e até de um colinho às vezes”. 

Acessórios

 Rústico, o Bull Terrier Miniatura costuma gerar poucas despesas com a sua manutenção. Leopoldino oferece a seus exemplares ossos defumados, importantes para controlar tártaros. E recomenda, assim como Tania, uma boa coleira peitoral. “Para ele nos puxar nos passeios externos, proporcionando um exercício mais intenso: por ser pequeno, pode puxar forte que não nos desloca com facilidade”, explica o criador, que costuma também oferecer a seus exemplares pneus pequenos de borracha maciça e bolinhas. “Estas últimas devem ser de material super-resistente e maior que suas bocas”, completa Tania, que indica também guia para o manejo dentro de casa. 

Mathias e Chronus: este Bull Terrier Miniatura adora correr na praia atrás de cocos jogados para ele
A família de Erica vive em apartamento: ela e Carlos Eduardo saem com Chronus cerca de cinco vezes por dia – Fotos: Arquivo de Erica Domingues Puhl/ Criador do cão: canil Energy Dogs

Chronus: brincalhão e supercompanheiro

 Há três pets no lar da curitibana Erica Domingues Puhl, que vive com o marido, Carlos Eduardo, e os filhos, Mathias, de 6 anos, e Alice, de 12. São dois gatos (a Siamesa Tina e o Sem Raça Definida Tanus) e o Bull Terrier Miniatura Chronus, de 10 meses. Este último gosta de estar junto das pessoas da casa, incluindo as crianças, das quais sempre se mostrou muito amável. 

Erica destaca também o fato de Chronus respeitar os gatos e ser bastante ativo. “No bairro onde moramos há um parque para cães, onde meu marido o leva bem cedo, para ficar solto, correr e brincar com os outros muitos cachorros que frequentam o lugar, o que ele adora”, diz Erica, que acrescenta: “Já em casa gosta muito de brincar com bichos de pelúcia e de correr atrás de bolinhas que jogamos para ele. Também ama ficar mordendo um pneu”. Ela finaliza: “Aos finais de semana, faço uma hora e meia de caminhada com o meu marido e o Chronus sempre vai junto”.

Peppa Pig e Romeu

“Como Peppa Pig é muito calma, será bem difícil haver algum episódio de briga com Romeu”, diz Bruna – Fotos: Arquivo de Bruna Miyagui/ Criador do cão: canil Marins World Class Mini Bulls
Miniaturas do criador Leopoldino Abreu soltos e juntos, em recreação no espaço livre e amplo do canil Energy Dogs

 Bruna Miyagui mora em Salvador com o marido Diego e a filha Luana, de 19 anos. Eles convivem com o Bull Terrier Standard Ralf, de 5 anos, e dois Bull Terriers Miniaturas: a Peppa Pig, de 3 anos, e o Romeu, de 6 meses. Bruna conta que, quando Romeu chegou, sentiu um amor à primeira vista por Peppa Pig: vivia atrás dela, que, por sua vez, ficou bastante assustada e com medo do mais novo. “Tivemos que fazer um trabalho de socialização aos poucos e depois de uns 15 dias já podiam ficar juntos sem problemas: hoje, quando Peppa Pig decide dar atenção ao Romeu, eles gostam de brincar entre si, de corrida e, principalmente, de luta, mas sempre com supervisão, pois, apesar de dóceis e muito carinhosos, possuem mandíbulas fortes”, conta Bruna. 

Peppa Pig é dengosa, extremamente dócil e quietinha: “Não faz bagunça e adora ficar no meu colo dormindo, de preferência no sofá”, diz Bruna. Já Romeu tem muito mais energia: “Ele quer brincar o tempo todo, está conhecendo o mundo e é bastante inteligente: aprende com muita facilidade”. Bruna ressalta ainda que Peppa Pig e Romeu destroem os brinquedos rapidamente e, por isso, eles são bem restritos. “O que às vezes oferecemos são ossos de tutano”, finaliza ela. 

Chiara com Giuli: extremamente companheira, a Bull Terrier Miniatura não sabe o que é ficar fora de casa
As aventuras de Chiara com Bruna e Cassiano já incluíram até um tour de moto pelo circuito Termas de Rio Hondo, na Argentina – Fotos: Arquivo de Bruna Rosa/ Criador do cão: canil Energy Dogs

Chiara: aventureira e sociável

Bruna Rosa vive em Curitiba com o marido Cassiano Rios e a filha deste, Giuli, de 6 anos (que fica na casa quinzenalmente, nos feriados e férias). Eles convivem com dois gatos Sem Raça Definida de 8 anos (o Lolô e a Pia) e com a Bull Terrier Miniatura Chiara, de quase 2 anos. “Brincam o tempo todo: um corre atrás do outro e depois a Chiara pula em cima deles”, diz Bruna. 

Chiara se adapta a qualquer ambiente e, assim, ela vai com a sua família humana a restaurantes ou padarias pet friendly, onde mostra ser muito comportada: não late nem incomoda. “E é supersociável quando precisamos deixá-la com alguém”, relata Bruna, que acrescenta: “Em nossa casa de campo ela tem contato com três cães Sem Raça Definida, dois machos e uma fêmea, e com cavalos, com os quais adora correr”, diz Bruna. “É a primeira a ficar ‘pronta para sair’ quando vamos passear ou viajar de moto ou carro”, completa.

Bruna diz ainda que Chiara está sempre disposta para brincar, seja com bolas, garrafas PET ou cordas. “Gosta de nos acompanhar correndo quando estamos de bicicleta”, diz Bruna. O lugar preferido de Chiara é o sofá da sala; ela tem acesso a todos os locais da residência – tanto que, à noite, dorme na cama com o casal ou com Giuli.


Por: Fabio Bense

Agradecimentos:

BULL TERRIER MINIATURA CHIARA – Instagram: @bmwmotorraddog

BULL TERRIER MINIATURA CHRONUS – Instagram: @chronus_minibull

LEOPOLDINO ABREU, canil Energy Dogs – (41) 98415-9810, www.energydogs.com.br, comercial@energydogs.com.br, 

Facebook: @energydogs.ullterrierminiatura, Instagram: @energydogs_kennel

MARCELA E FRANK MUSTATEA, Capones Kennel – caponeskennel@gmail.com, Facebook: Capones Kennel  

TANIA MARINS, canil Marins World Class Mini Bulls – (11) 95438-3414, Instagram: taniamarins_mini_bull

{PAYWALL_FIM}


Clique aqui e adquirá já a edição 490 da Cães & Cia!