Latidos desvendados: entenda melhor o seu cão

Foto: IstockPhoto

A “técnica canina” é uma das principais formas que o pet encontra para se comunicar com seu tutor e foi desenvolvida no convívio com o Homem

Já tentou responder para o seu cachorro quando ele começa a latir para você? O entendimento entre vocês pode não ser muito eficiente, mas ele está sim tentando se comunicar. Descendente do lobo, o cachorro desenvolveu ao longo da sua evolução uma maneira diferente de comunicação. Enquanto seu ancestral utilizava primordialmente o uivo, o nosso companheiro de quatro patas desenvolveu um som característico: o latido. Essa novidade veio a partir da interação conosco, os seres humanos. “Com a maior proximidade entre cães e humanos, estabelecendo-se como parceiros de vida, este foi o meio deles tentarem se comunicar e expressar diferentes emoções”, explica a médica-veterinária Lisandra Mondadori, clínica geral do Hospital Veterinário Taquaral, em Campinas, SP. O latido pode ser muito eficiente para dar avisos simples do que os cães estão sentindo, como alegria, medo e ansiedade, e pode ser até um alerta de que algo está errado. 

Apesar de também ser usado como comunicação entre outros cães, os pets aprenderam e aprimoraram a técnica a partir do contato humano e das nossas reações ao seu comportamento. 

Os motivos que levam a um latido são muito variados, como sugere a adestradora e zootecnista Camilla Nogueira, de Campinas, SP. “Além de latirem para nos avisar sobre suas emoções, os cães também o fazem porque foram reforçados pelo comportamento. Por exemplo, vamos imaginar a situação em que o cachorro late e logo após acaba recebendo um biscoito. A repetição desse momento faz ele entender que latir traz algo positivo e se habitua a este comportamento. Os pets também utilizam essa comunicação porque aprenderam a solucionar seus ‘problemas’ latindo”, descreve a adestradora. Ela exemplifica sugerindo outra situação: um cachorro começa a latir para as pessoas que passam na frente do portão da casa e as afugenta. Assim, ele entende que é bem-sucedido ao utilizar um tipo de latido para afastar humanos indesejados e continua latindo toda vez que alguém passa no portão.

{PAYWALL_INICIO}

Um cachorro pode latir de muitas maneiras diferentes, apresentando variação de tom, intensidade, frequência e duração, tendo intervalos maiores ou menores entre os latidos. Então como podemos entender o que ele está tentando nos dizer? Lisandra desvenda alguns tipos. “Um latido alto e repetitivo, dado junto com saltinhos e com o rabo abanando, indica que ele está alegre. Enquanto um latido arrastado, uníssono e agudo, junto com o rabo entre as pernas, pode indicar medo ou dor. Já um latido alto e grosso, acompanhado de pelos arrepiados e posição de ataque, indica um alerta de perigo.” 

Apesar do tipo de latido ter o poder de transmitir muita informação, Camilla reforça a importância de observar outros sinais complementares que ajudam a desvendar o significado da comunicação.

 “Para facilitar a leitura dos latidos, precisamos considerar também a comunicação corporal deles. Devemos observar como estão a cauda, as orelhas, a boca e os pelos. Um cão que late com o desejo de interagir vai abanar a cauda, manter a frente do corpo baixa, pular e girar, como se fosse um convite para a aproximação. 

Por outro lado, um cão que late por medo pode manter o corpo rígido, mostrar os dentes, eriçar os pelos e se afastar”, diz. A soma dessa comunicação sonora e corporal canina só vai ser mais eficiente, no entanto, se o tutor se mostrar atento a seu companheiro. Afinal, quanto maior for a convivência e a atenção aos sinais, mais o tutor vai entender o animal de estimação. 

Diferentes rotinas

Ainda que muitas das comunicações possam ser comuns à espécie, cada cachorro tem um comportamento, uma rotina e uma criação que o leva a ser diferente dos demais. “Alguns latem tanto que o estranho é quando há silêncio. Outros latem tão raramente que só de ouvir o som deles sabemos que existe algo errado. 

Latidos em excesso podem indicar ansiedade, estresse e desconforto, ou pode ser apenas um cão muito comunicativo. Entender exatamente qual é o significado vai depender do tutor conhecer o seu animal”, conta Lisandra. 

Segundo a veterinária, existem casos de animais que não têm o costume de latir por apresentarem um comportamento mais silencioso, mas é preciso atenção. A falta do latido pode representar problemas físicos e emocionais que precisam ser investigados e tratados.  

Quando o latido é um problema?

 Muitas vezes, o latido pode se transformar em um problema, seja por frequentes reclamações de vizinhos ou na vida em condomínio e apartamentos. Por vezes, o som do latido pode atrapalhar (e muito!) a paz da vizinhança e do próprio lar. A adestradora, então, compartilha dicas que podem ajudar a evitar alguns tipos de latidos indesejáveis. “Primeiro, deve-se entender o motivo que leva o cão a latir e nunca reforçar esse tipo de comportamento. O latido é uma atividade que demanda muita energia. Então, se a rotina do cão estiver equilibrada, com a inclusão de atividades físicas e mentais, com descanso, alimentação e hidratação, ele só terá motivos muito específicos para latir”, ensina Camilla. Ela ainda explica que, às vezes, o latido pode representar um desconforto com algo do seu cotidiano. “Se ele não gosta do som da campainha, faça com que ela faça parte da rotina dele. Toque a campainha aleatoriamente durante o dia para que ele se acostume com isso. Quando tocar e o cão não latir, reforce o comportamento com um carinho, um elogio ou um petisco.” A adestradora também conta que, muitas vezes, o cachorro late para chamar a atenção do dono. Cabe ao tutor, neste caso, não reforçar o comportamento indesejado dando ao pet o que ele quer. “Mas, se ele estiver latindo por medo ou agressividade, é importante procurar um profissional, como um adestrador, para que esse comportamento seja revertido”, alerta. 

Existem alguns dispositivos de som que tentam inibir os latidos do cachorro emitindo uma frequência desagradável para o pet, mas Lisandra é totalmente contrária ao uso. “Esses aparelhos podem até prejudicar a saúde do pet graças ao estresse gerado. Ele pode, inclusive, desenvolver outros comportamentos indesejáveis”, conta. A veterinária orienta que o latido faz parte da comunicação instintiva do cão e que ele não deve ser punido por isso. “O que pode ser feito é identificar a causa do latido para que possamos focar diretamente em onde está o problema. É preciso conhecer o nosso animal e ter com ele muita paciência, amor e dedicação. Devemos entender que ele está apenas tentando se expressar. Ao identificarmos o que está causando esses latidos, podemos trabalhar juntos para chegar na melhor solução para todos os lados”, finaliza a médica-veterinária.


Por:

Aline Guevara

{PAYWALL_FIM}


Clique aqui e adquira já a edição 491 da Cães & Cia!